4 coisas para saber antes da sua primeira sessão de terapia


Se tem uma coisa que é certa é que a terapia deveria ser um serviço disponível para todas as pessoas do mundo, sem exceção.


É normal imaginar consultórios de terapeutas como salas exclusivas para pessoas com graves doenças mentais, mas, na verdade, qualquer pessoa, com ou sem traumas, com ou sem doenças mentais, vai sair ganhando se fizer terapia, ainda que “apenas” por uma questão de autoconhecimento.


Conhecer a si mesmo é uma tarefa muito mais complexa do que se pode imaginar, e, se você tem vontade de descobrir o que está por trás de alguns dos seus traços de comportamento, não tenha medo: faça terapia.


Antes, procure um profissional que se encaixe com o método mais confortável para você (terapia cognitivo-comportamental, análise junguiana, psicoterapia analítica, terapia de apoio etc) e se aventure pelas suas dores e delícias sem medo.


O fato é que muita gente se pergunta como seria a primeira sessão de terapia e, por este motivo, preparamos este conteúdo para te falar um pouco mais sobre isso. Vamos lá?


Como funciona a primeira sessão de terapia?


No primeiro momento, é como conhecer qualquer pessoa. Então fique tranquilo, vocês irão se apresentar e provavelmente ele te perguntará qual o motivo de você ter ido lá.


E caso você não saiba a resposta, vocês podem descobrir isso juntos. Você pode decidir o que quer falar. Pode ser algo que aconteceu, ou como você está se sentindo ultimamente.


Fique tranquilo, relaxe e diga o que sentir vontade. Com o tempo, a relação entre paciente e terapeuta vai ficando mais forte e você se sentirá muito tranquilo ao conversar com ele!


Então, deu pra perceber que a primeira consulta não tem porque ser temida, não é?


Você provavelmente sentirá uma grande mudança na sua vida. Se conhecer, entender mais seus sentimentos, saber lidar com eles, saber como resolver seus problemas da melhor forma são alguns dos benefícios que podemos encontrar indo ao psicólogo. Não podemos nos esquecer de cuidar mais de nós mesmos, inclusive da nossa saúde mental.


Prepare-se para falar muito


Assim como em um primeiro encontro, a primeira sessão de terapia exige que você se apresente, que fale sobre sua vida, seus familiares, sua infância, seu momento atual, seus relacionamentos sociais e amorosos e, basicamente, sobre o que vier à sua cabeça.


Para que o terapeuta faça o trabalho de analisar a sua personalidade e, a partir daí, sugerir exercícios para que você melhore em alguns aspectos, esse profissional vai precisar conhecer você muito bem.


Falar é o que você vai mais fazer enquanto fizer terapia, mas também não se preocupe muito em ter discursos prontos.


Você pode até saber sobre qual assunto vai falar, mas, na hora de abrir a boca, tudo vai fluir naturalmente e espontaneamente.


Muitas pessoas não se sentem confortáveis nessa posição, obviamente. Se esse for o seu caso, alguns exercícios de respiração podem ajudar. Além do mais, você pode esperar o tempo que for preciso antes de começar a falar e também não é obrigatório falar sobre alguns assuntos.


Você também pode fazer perguntas


Pergunte ao seu terapeuta qual é a linha que ele segue e, dentro disso, questione quais são os métodos usados por ele com seus pacientes.


Se você vai à terapia para resolver um transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), por exemplo, talvez o melhor seja a linha cognitivo-comportamental.


Agora, se você está em busca de um conhecimento profundo a respeito de si mesmo, a análise junguiana pode ser uma escolha maravilhosa.


Tenha sempre em mente que a terapia não é um milagre, e vai demorar um pouco até que você comece a perceber as mudanças práticas que esse tipo de exercício vai ter em sua vida, mas, uma vez que isso aconteça, é realmente libertador.


Não precisa ficar nervoso


A gente até comparou a conversa com o terapeuta com a conversa de um primeiro encontro, mas a comparação para por aí.


Com o terapeuta, não há motivo para nervosismo: esse profissional está analisando você, sim, mas não está fazendo julgamentos.


A análise psicológica vai muito além de “certo” e “errado”, de “bom” ou “mau” e de qualquer outro aspecto que possa deixar você com receio ou desconforto.


Não há motivos para que você se sinta pressionado. Lembre-se disso, beba um pouco de água, respire fundo, ouça sua música favorita, faça algo que deixe você mais relaxado e pense: muitas pessoas gostariam de estar em seu lugar, e fazer terapia é um processo incrível pelo qual toda pessoa deveria passar pelo menos uma vez na vida. Se você está tendo essa chance, aproveite-a.


Fique calmo, o terapeuta está ali para te ajudar


Durante as primeiras sessões, você e seu terapeuta estão se conhecendo. Então é o momento dele conhecer suas queixas, de entender melhor como você está se sentindo para que ele possa se preparar e planejar como vai ajudá-lo.


Existem diferentes abordagens na psicologia e isso varia de psicólogo para psicólogo. Entretanto, o papel dele é o mesmo independente da técnica utilizada.


O Psicólogo está ali para te ouvir, te acolher, e te ajudar! Ele também pode te auxiliar a se conhecer mais e se tornar mais consciente das suas ações;


O Psicólogo não está ali para fazer julgamentos, ele deve te ouvir sem levar em consideração qualquer tipo de pré-conceitos! Ele também não vai sair contando por aí o que vocês conversaram durante o atendimento. Isso é totalmente sigiloso.


E você, já faz terapia? Conta aqui nos comentários como foi a sua primeira sessão e como está sendo agora.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo