Ansiedade na adolescência: sinais e o que fazer para ajudar



A ansiedade na adolescência é um assunto que precisa de debate constante. Essa fase da vida é fundamental para o desenvolvimento de bons hábitos, valores e habilidades sociais emocionais (empatia, inteligência emocional), que podem garantir a felicidade na próxima fase.


De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), 10% a 20% dos adolescentes têm problemas de saúde mental, mas são diagnosticados e tratados incorretamente. Portanto, é importante compreender os sinais dos transtornos mentais, a fim de reconhecer os sintomas e aliviar o sofrimento dos jovens por meio de um tratamento adequado.


A adolescência é uma fase em que as emoções, pensamentos, ideias e experiências que afetam a autoimagem e a autoconfiança dos adolescentes explodem. É normal ficar confuso com tantas novidades. O problema é quando a excitação e a confusão se transformam em ansiedade.


Ansiedade na adolescência


As pessoas experimentam muitas mudanças durante a adolescência. Mudanças físicas, emocionais e psicológicas, as quais tornam a adolescência uma fase empolgante, mas confusa.


A busca pela identidade, o primeiro relacionamento amoroso, a influência da amizade, a primeira conquista e o aumento da responsabilidade permeiam a mente dos adolescentes. Em tantas experiências nunca experimentadas, a ansiedade virá à tona e começará a guiar as ações e decisões dos jovens.


À medida que nos aproximamos da idade de fazer o vestibular, novas preocupações surgem. Que ocupação você segue? Que classe você tem? Qual universidade escolher? O número de decisões que mudarão o curso futuro dos adolescentes também aumenta significativamente a ansiedade.


Como os adolescentes estão no estágio de descoberta e têm pouca experiência de vida para lidar com situações, eles têm mais probabilidade de sofrer de ansiedade ou depressão do que os adultos.


Pode ser difícil para os pais perceberem os sintomas dessas condições, porque a dificuldade de controlar as emoções é uma característica desse estágio. Os adolescentes ignoram as regras, questionam a autoridade de seus pais, age intensamente às situações e acredita estar sempre certo, dificultando a distinção entre comportamentos típicos da adolescência de sinais de ansiedade.


Quais são os sinais da ansiedade na adolescência?


A ansiedade do adolescente exibe sintomas semelhantes aos da ansiedade do adulto. No entanto, os adolescentes tendem a tratá-los de maneira diferente por causa de sua baixa influência emocional.


Por não saberem que seus sentimentos estão relacionados à ansiedade, acreditam que esse é um traço de personalidade. Portanto, quando alguém faz um comentário, eles rapidamente ficam na defensiva. "É apenas o meu jeito!", respondem eles.


Adquirir conhecimentos sobre o que é a ansiedade e como gerenciá-la pode ajudar os jovens a reconhecer sinais em seu comportamento e promover a busca pelo tratamento adequado.


Os sintomas principais da ansiedade na adolescência são:

  • Preocupação excessiva, especialmente com coisas pequenas;

  • Fadiga e sonolência diurna;

  • Dificuldade para dormir;

  • Dores musculares inexplicáveis;

  • Perda de apetite ou apetite excessivo, causando considerável perda ou aumento de peso;

  • Falta de ar;

  • Apreensão constante com o futuro;

  • Dificuldade para se socializar;

  • Autoestima baixa;

  • Roer as unhas ou arrancar cabelo;

  • Desatenção e perda de memória;

  • Tristeza; e

  • Perda de interesse em atividades e hobbies que antes gostava.

Além disso, os adolescentes costumam ficar longe de seus pais e amigos e se recusam a falar sobre as causas de sua dor. Assim, é necessário que os pais entendam o comportamento dos filhos em todos os momentos para que possam buscar tratamento psicológico no momento adequado.


Causas da ansiedade na adolescência


Muitos são os fatores que podem causar ansiedade nessa faixa etária. As preocupações típicas dos adolescentes, como aparência, desapontamento no amor, popularidade, perspectivas de carreira, autoestima, namoro e identidade, podem ser a causa de ansiedade constante.


Separação dos pais, mudança de amigos para outra cidade ou escola, falta de apoio familiar, bullying, viver em um ambiente estressante e incapacidade de lidar com contratempos também são exemplos de ansiedade.


Além disso, filhos de pais que já têm ou sofrem de ansiedade têm maior probabilidade de sofrer de ansiedade ou depressão em algum estágio de suas vidas. Ignorar esses sintomas pode agravar o estado mental dos adolescentes e levar a outras condições, como fobias e transtorno do pânico, e estimular pensamentos suicidas.


Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde, o suicídio é a terceira causa de morte entre adolescentes mais velhos (15 a 19 anos).


Os pais não devem se sentir culpados pelo diagnóstico de ansiedade dos filhos adolescentes. É difícil não relacionar o estado da saúde mental deles com possíveis falhas da criação, mas a culpa não é um sentimento que deve ser cultivado. Afinal, os pais não são detentores de todo o conhecimento do mundo.


Como ajudar?

Existem várias maneiras de ajudar um adolescente com ansiedade. Dentre elas, podemos destacar:


1. Incentive a prática de exercício físico


O exercício físico pode ajudar a controlar bem a ansiedade, reduzir a pressão causada pela preocupação contínua e promover a diversão de indivíduos ou grupos.


Se o seu filho não quiser participar de esportes coletivos ou ir à academia, incentive-o a caminhar ou fazer exercícios em casa. Participe dessas atividades para mostrar apoio.


2. Se ofereça para superar um medo em conjunto


O medo de uma pessoa ansiosa é geralmente uma situação mundana que quase todos devem experimentar em algum momento.


Sendo assim, ofereça-se para ajudar seu filho a superar seus medos com ele. Pode ser tão simples quanto fazer compras em uma padaria local ou fazer um curso de fim de semana. Quando moramos juntos, a situação não é tão terrível.


3. Converse sobre sentimentos


Incentive um diálogo sincero sobre os sentimentos. Não julgue ou force seu filho a mudar da noite para o dia. Ofereça escuta silenciosa e pergunte antes de oferecer qualquer sugestão. Às vezes, os adolescentes só desejam desabafar, e não buscar respostas. Assim, ele saberá que pode contar com os pais em momentos de dificuldade.




5 visualizações0 comentário