Cansaço mental: quando começar a se preocupar



Depois de um dia agitado, como você se sente tanto física quanto mentalmente? Nem todo mundo está ciente disso, mas não é apenas o corpo que se cansa a cada dia. O cérebro também está trabalhando constantemente, de modo que a fadiga mental pode afetar a vida de muitas pessoas.


Vale ressaltar que é normal sentir cansaço em determinados períodos. O problema é quando a fadiga afeta a saúde física e mental das pessoas. Portanto, é necessário descansar ao longo do dia, desfrutar de momentos de relaxamento e cuidar da sua saúde.


Se você acha que está em um estado de cansaço mental, este artigo é para você. Aqui você poderá visualizar as principais informações sobre o assunto, mas não se esqueça que em alguns casos você precisa procurar a ajuda de um psicólogo, certo? Continue lendo!


O que é o cansaço mental?


A fadiga mental também é chamada de estafa mental. Caracteriza-se pela sobrecarga de informações no cérebro, de modo que o corpo começa a enviar sinais físicos de que precisa de uma pausa.


É importante lembrar que é natural sentir cansaço em determinado horário, mas sentir essa sensação com mais frequência, por semanas ou meses, pode ser um sinal de alerta. Essa exaustão atinge crianças e adultos, podendo afetar o desempenho pessoal, profissional e escolar.


O que acontece é que quando a pessoa está no limite, a renda e o prazer de realizar as tarefas diminuem. Desta forma, eles eventualmente ficarão exaustos e exigirão muita energia para realizar até mesmo atividades com as quais estão habituados.


Quais são os principais sintomas do cansaço mental?


A fadiga mental pode afetar todos os aspectos da vida de uma pessoa. Os sinais indicam que o corpo está sobrecarregado e precisa de descanso. Os principais sintomas incluem:

  • falta de concentração;

  • cansaço em excesso e falta de energia;

  • dores pelo corpo;

  • problemas de memória;

  • alterações de humor;

  • dificuldades em realizar tarefas do dia a dia;

  • redução da libido;

  • perda de apetite;

  • desinteresse por atividades que antes eram prazerosas;

  • dificuldades para dormir e insônia;

  • angústia e desânimo;

  • irritabilidade;

  • sonolência ou insônia;

  • diminuição da motivação e da produtividade.

Além disso, a exaustão mental reduz a imunidade e torna o corpo mais suscetível a outras doenças. Se você notar esses sinais, precisa descansar, caso contrário, o cérebro pode ficar mais sobrecarregado, resultando em enxaquecas ou até mesmo em sintomas de uma depressão.


Quais são as causas mais comuns do cansaço mental?


Existem várias condições que podem causar fadiga mental e, se persistirem, podem se tornar um problema na vida pessoal.


No entanto, a pessoa exausta mentalmente nem sempre sabe o que causa o esgotamento e como sair do círculo vicioso. Nestes casos, deve-se buscar ajuda psicológica para solucionar o problema.


A seguir, veja algumas das causas mais comuns de fadiga mental que fazem com que o cérebro permaneça ativo o tempo todo:

  • trabalho excessivo, sem pausas ou férias por muito tempo;

  • período longo de estímulos intelectuais, como estudos e pesquisas;

  • preocupações excessivas com problemas pessoais e/ou profissionais;

  • exposição constante aos estímulos das redes sociais e excesso de informações;

  • transtornos mentais, como depressão e ansiedade.

Dicas para combater o cansaço mental


Corpo e mente caminham juntos, por isso, é preciso incluir no seu dia a dia atividades de autocuidado voltadas para estas duas esferas. É importante detectar os sinais de cansaço mental para saber quando é necessário agir com mais cautela e buscar válvulas de escape.


Lembre-se: por mais que várias atitudes rotineiras possam melhorar a saúde mental e física, em alguns casos pode ser necessário procurar por ajuda especializada, como de um psicólogo.


Em seguida, veja algumas dicas para ter mais qualidade de vida e combater o cansaço mental:


1. Pratique exercícios físicos


É cientificamente comprovado que a prática regular de exercícios é um bom remédio para combater o estresse, reduzir a ansiedade e a depressão. Além disso, a prática de atividade física também aumenta a felicidade.


Recomenda-se a realização de exercícios leves e de curta duração para combater a fadiga. Você não precisa seguir rotinas esportivas para obter os benefícios, basta apenas fazer 3 atividades por semana, de 20 a 40 minutos cada, de intensidade baixa a moderada, o suficiente para sentir os benefícios.


2. Tenha um hobbie


Ter hobbies é fundamental para desligar a mente de preocupações e um momento de autocuidado. O importante é que na sua rotina diária, você faça uma pausa para se concentrar na felicidade e lazer, como:

  • ler;

  • pintar;

  • tocar um instrumento;

  • dançar;

  • cozinhar;

  • andar de bicicleta;

  • assistir filmes e séries;

  • cuidar do jardim.

3. Tenha uma alimentação saudável


Claro, é normal comer fast food e alimentos ricos em gordura ocasionalmente, mas em geral, uma dieta equilibrada é fundamental.


Isso significa adicionar vegetais, legumes e frutas à sua dieta. Além disso, alimentos como banana, abacate, canela e amendoim têm propriedades que melhoram o humor, de modo que podem combater a fadiga mental. Comer bem é essencial para se sentir mais energético e saudável.


4. Inclua momentos de lazer no seu dia


O lazer pode estar ligado ao seu comportamento de relaxamento e pensamento abstrato. E isso varia de hobbies a sair com amigos ou família.


O mais importante é garantir que o seu trabalho diário não caia no círculo vicioso de se concentrar apenas nas tarefas pessoais e profissionais que exigem atenção e atenção constantes.


5. Crie uma rotina de sono equilibrada


O sono adequado é essencial para uma vida equilibrada e para combater a fadiga mental. Além de repor a energia e regular o metabolismo, o corpo desempenha funções restauradoras no corpo durante o sono. Tudo isso é importante para manter a saúde física e mental.


As horas de sono recomendadas variam conforme as fases da vida, mas, em geral, são em média 8 horas diárias ininterruptas. Se o tempo de sono for inferior a esse tempo, a função do corpo será afetada negativamente e o risco de doenças cardiovasculares, diabetes, depressão e obesidade aumenta.


Além disso, a falta de sono também pode afetar a qualidade de vida e o bem-estar, pois o indivíduo se sentirá cansado, desconfortável e sem energia.


6. Faça terapia


Em alguns casos, os hábitos de saúde listados acima podem não ser suficientes para combater a fadiga mental. Nesse sentido, é importante procurar ajuda de um psicólogo.


Por meio da psicoterapia, os pacientes terão experiências profundas e vivenciará um processo de autoconhecimento no qual será capaz de reconhecer gatilhos e padrões de comportamento.


Dessa forma, conseguirá entender melhor o que vem causando o seu esgotamento e traçar estratégias para superá-lo.


3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo