Como lidar com a separação na gravidez?



A separação na gravidez geralmente não é uma boa notícia, mas dependendo do relacionamento, pode ser um grande alívio.


A experiência da gravidez é, sem dúvida, transformadora para ambos os casais. Alguns casais veem isso como um período de felicidade total, apesar do estresse e das noites sem dormir. Outros não podem escapar de conflitos, discussões e brigas.


Quando um relacionamento não vai bem, a tendência da gravidez é expor as fraquezas do relacionamento. A convivência pode se tornar tão caótica que o casal não vê outra opção e opta por terminar o relacionamento em benefício de ambas as partes.


A gravidez e o relacionamento


Os casais vivenciam a gravidez de diferentes maneiras, e isso acontece em momentos únicos do relacionamento. Isso pode ser cuidadosamente planejado, ou pode ser uma "surpresa". Às vezes, a surpresa vem em um momento auspicioso. Às vezes não.


Ainda assim, a gravidez é um sinal de muitas mudanças na vida do casal e na dinâmica do relacionamento. Desde o momento da descoberta, a vida do casal nunca mais é a mesma. Além de fazer dezenas de planos para o futuro do seu filho, é preciso repensar o estilo de vida, a carreira e a vida financeira.


Nesse caso, qualquer mudança repentina, grande ou pequena, pode desencadear um conflito que pode levar à separação durante a gravidez. Nos meses que antecedem a chegada do bebê, o casal tem muitos cenários em mente.


Medo, estresse e ansiedade podem assumir o controle, prendendo o casal em um ciclo de mal-entendidos e preocupação excessiva. A experiência é muitas vezes muito diferente quando uma gravidez é planejada e a primeira prioridade de ambas as partes é começar uma família.


Com uma vida profissional e financeira estruturada, o casal tem menos preocupações e consegue aproveitar todas as fases da gravidez até o nascimento do bebê. Claro, os conflitos ainda podem surgir em um relacionamento. No entanto, eles tendem a ser menos intensos e mais fáceis de corrigir.


Questões conjugais durante o período gestacional


É comum ouvir que os casais estão tendo problemas durante a gravidez. Dependendo da conexão entre os cônjuges e da natureza desses conflitos, a separação da gravidez pode ser a saída mais lógica.


Na verdade, é comum que os relacionamentos terminem neste período, pois as relações amorosas mudam muito durante os nove meses de gravidez. Eles passam por inúmeros altos e baixos. Algumas delas levam a reflexões sobre a conexão com um parceiro e a capacidade de educar os filhos.


Além disso, é preciso considerar como cada parceiro vive essa experiência. As mulheres tendem a se sentir ansiosas ao imaginar a vida com um bebê, cansadas pelas mudanças físicas e desconfortos dos últimos meses de gravidez e sensibilizadas pela produção hormonal.


Os homens, por outro lado, tendem a se preocupar em perder o afeto e a atenção do parceiro, além de mudanças no estilo de vida e na vida financeira do casal. Se o casal não lidar bem com essas questões, pode levar ao casamento ou à separação após a gravidez.


Há outro problema: os cônjuges em relacionamentos não saudáveis ​​podem se surpreender com a gravidez. Pode eventualmente aumentar o atrito entre os casais, elevando o estresse a níveis intensos. Nesse caso, o término do relacionamento é considerado um alívio para a saúde mental e o bem-estar de ambas as partes.


Afinal, vale a pena continuar o relacionamento quando o casal não tem interesse em ficar junto? É claro que engravidar e cuidar de um bebê sem o apoio de um parceiro é desagradável, mas também não é necessário manter um relacionamento por conveniência.


Os casais precisam pesar os prós e os contras de seu relacionamento para chegar a uma conclusão que seja mutuamente benéfica, seja uma separação ou não.


Como lidar com a separação na gravidez?


Lidar com a separação durante o período gestacional pode não ser fácil. Mesmo quando o térmico é desejado por ambas as partes, a dor de ficar longe um do outro dificulta a separação. Nem sempre o amor acaba durante ou após uma separação ou divórcio. É normal que haja recaídas, arrependimento, muito choro e solidão.


Estamos falando de um momento complexo e que precisa ser tratado com cuidado e atenção, a fim de não afetar o bem-estar dos pais e, claro, do bebê.


1. Converse sempre


Não importa como o relacionamento termine, as conversas entre ex-parceiros precisam ser mantidas em dia. Aliás, antes mesmo de acabar, os casais precisam conversar sobre seus sentimentos e ansiedades, bem como sobre a possibilidade de separação durante a gravidez.


A comunicação não-violenta e sincera é essencial para que ambas as partes cheguem a uma conclusão mutuamente benéfica e busquem manter uma coexistência pelo menos tolerável.


A separação da gravidez não precisa ser um campo de batalha! O casal deve ser empático e tentar entender o ponto de vista um do outro e não carregar mágoas no coração. O ressentimento é muito ruim para quem se apega a ele e para quem não tem nada a ver com a situação.


Se for difícil conversar sem problemas do passado e forte interferência emocional, os cônjuges podem fazer terapia de casal. Essa terapia pode ajudar os casais a conversar em um ambiente seguro e confortável, sem discussões e competição.


2. Mantenha um bom relacionamento


Você pode ter ouvido histórias de vários casais que terminaram seu relacionamento na guerra. O homem e a mulher brigam sem parar pela custódia da criança, o parceiro se recusa a pagar pensão alimentícia, e a família estendida se mete nos atritos dos ex-parceiros, criando uma confusão ainda maior. Há pais que fogem com a criança para outro estado ou país somente para a família do ex-parceiro não conseguir vê-la!


Essa situação é extremamente desgastante, e só ocorre quando o ego das partes está ferido. Nesses casos, o ressentimento e a raiva falam mais alto, fazendo com que os indivíduos tomem decisões absurdas com o intuito de afetar o outro.


Evite criar problemas desnecessários para você e o bebê e tente manter um relacionamento agradável com o seu ex. Não estamos dizendo que você precisa forçar intimidade ou passar tempo com ele se você prefere manter distância. Ser cordial e oferecer escuta em momentos de necessidade são o bastante para cultivar uma boa relação.


É preciso lembrar que as mulheres em período de gestação tendem a sofrer alterações de humor. Portanto, o melhor a fazer é buscar se conhecer melhor e evitar situações que possam causar tristeza para as partes.


3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo