Distimia: o que é, causas e como tratar



Distimia é uma palavra frequentemente associada à depressão. Isso porque a condição é uma forma crônica e silenciosa da doença. É mais fácil identificar quando alguém está deprimido, especialmente quando os sintomas são graves.


As pessoas deprimidas não querem sair da cama, está sempre triste, frustrada, arrastando a vida tentando cumprir suas tarefas, sem esperança de que elas possam lhe trazer sentimentos de auto realização ou alegria.


Quando conhecemos alguém assim, logo pensamos que pode ser depressão, e não é incomum que a pessoa tenha recebido conselhos de vários psicólogos corporais para obter ajuda. Mas e quando os sintomas são quase imperceptíveis e podem até ser confundidos com a personalidade de alguém?


Este é o caso de pessoas que estão com distimia. Além de poder evoluir para a forma mais grave de depressão, essa forma silenciosa de depressão passa despercebida e atrapalha vários aspectos da vida dessas pessoas.


O que é distimia?


A distimia, também conhecida como depressão persistente, é caracterizada por um humor crônico. Pode começar na infância ou adolescência e durar muito tempo, como anos ou décadas.


Por esse motivo, é difícil para as pessoas com distimia perceber os sintomas. Por fazerem parte da vida cotidiana e, até onde sabem, de suas personalidades, essas pessoas não suspeitam que possam estar doentes. Como tal, elas são muitas vezes referidas como "pessoas difíceis" em família, trabalho e/ou grupos de amigos.


Embora esses sintomas não sejam tão graves quanto a depressão, eles impedem que essas pessoas aproveitem a vida o máximo que puderem. Seu desempenho profissional pode ser ruim, seus relacionamentos podem ser complicados e sua autoestima pode oscilar com frequência.


As pessoas distímicas geralmente lidam com um complexo de inferioridade, sentindo-se inadequadas, incompetentes e incapazes de aceitar o amor. A falta de compreensão de terceiros também pode fazer com que eles se sintam incompreendidos.


Como resultado, as pessoas vivem sob a influência de pensamentos e emoções negativas, o que torna difícil encontrar motivação e energia para desenvolver um estilo de vida saudável e uma mentalidade positiva. Então, viver nessa situação é um desafio.


Quais são os sintomas da distimia?


O transtorno depressivo ocorre quando os sintomas persistem por pelo menos dois anos. Durante esse período, é improvável que uma pessoa com distimia sobreviva dois meses sem sintomas. Em crianças e adolescentes, como em adultos, o humor pode ser irritável em vez de deprimido e persistir por pelo menos um ano.


Outros sintomas distímicos são:

  • Mau humor constante caracterizado por irritabilidade, desânimo e tristeza;

  • Redução ou aumento do apetite;

  • Insônia;

  • Baixa energia;

  • Autoestima baixa;

  • Desatenção;

  • Dificuldade de tomar decisões;

  • Sentimentos de desesperança;

  • Pessimismo;

  • Crise de choro;

  • Desinteresse generalizado pela vida;

  • Impaciência; e

  • Dificuldade para manter contato com amigos.

Como os sintomas são menos intensos, as pessoas não têm problemas para realizar as atividades diárias, embora possam não estar interessadas em realizá-las ou fazê-las com cuidado.


Eles levam uma vida prática, mas não tão produtiva. Muitas vezes relatam aos psicólogos que "sempre foram assim" ou "nunca tiveram muita paciência" porque se acostumaram com os sintomas que ocorrem no seu dia a dia, principalmente quando o início é precoce.


Qual é o tratamento ideal para a distimia?


Emoções de raiva, impaciência e tristeza não são regulares para os humanos. Embora a vida não seja só de coisas boas, é possível permanecer positivo e encontrar motivos para ser feliz na maior parte do tempo.


O desaparecimento da perspectiva de felicidade é um sinal de que algo está errado. Se você acha que está vivendo em situações em que não está realmente aproveitando a vida, como se estivesse apenas arrastando seus dias de folga porque precisa cumprir obrigações, deve procurar um psicólogo e um médico.


Como algumas doenças físicas também podem afetar o humor e privar as pessoas de energia, é melhor consultar seu médico para ver se está tudo bem para você. Depois de descartar a possibilidade de doença física, você pode voltar sua atenção para cuidar de sua saúde mental. Você precisa ter muito cuidado com a distimia, pois pode evoluir para depressão e reduzir ainda mais sua qualidade de vida.


Tratamento com a psicoterapia


Um psicólogo de aconselhamento pode ser de grande ajuda para pessoas com distimia. A terapia cognitivo-comportamental (TCC), em particular, é uma maneira muito eficaz de ajudar esses indivíduos a identificar as circunstâncias que desencadeiam suas emoções negativas.


Dessa forma, eles são ensinados a ter respostas emocionais mais adequadas a essas situações e indivíduos. Além do tratamento, existem hábitos e comportamentos que as pessoas com distimia podem adotar diariamente para melhorar o humor.


Como viver com a distimia?


A atividade física é um excelente catalisador para a saúde e o bom humor. Você tem que encontrar atividades que possa fazer em sua vida diária para que possa praticá-las regularmente. Além delas, você também pode:

  • Ter um hobby que lhe dê prazer;

  • Praticar exercícios de relaxamento, como meditação, yoga e gratidão;

  • Participar de um compromisso social interessante, como um clube do livro ou voluntariado em uma ONG;

  • Fazer um curso para adquirir uma nova habilidade e continuar investindo nela.

Se você não encontrar motivação para fazê-lo, chame um amigo para acompanhá-lo! Embora o mau humor possa afetar a sua rotina, lembre-se de que você também tem o poder de mudar seu humor quando decide cuidar de sua saúde mental.



5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo