Esquizofrenia paranoide: causas e tratamento



Esquizofrenia paranoide é o tipo mais comum de esquizofrenia.


A esquizofrenia é um transtorno mental grave que afeta cerca de 1% da população global. A doença acomete homens e mulheres em proporções iguais. A única diferença é a idade. Nos homens, os sintomas geralmente aparecem após os 15 anos. Nas mulheres, no entanto, eles aparecem na faixa dos 30 anos ou até mais tarde, coincidindo com a menopausa.


Sua principal característica é a perda de conexão com a realidade, manifestada em comportamentos, percepções e pensamentos distorcidos.


A esquizofrenia paranoide – também conhecida como esquizofrenia com paranóia – é o subtipo mais comumente diagnosticado de transtorno.


Outros subtipos relatados são: esquizofrenia simples, esquizofrenia desorganizada, esquizofrenia catatônica, esquizofrenia residual e esquizofrenia indiferenciada.


Neste artigo, vamos nos centrar no entendimento da esquizofrenia paranoide, esclarecendo os questionamentos mais recorrentes sobre o transtorno.


Quais são os sintomas da esquizofrenia paranoide?


Alucinações e delírios são os sintomas mais claros da esquizofrenia em pessoas com transtorno delirante. No entanto, esta situação não é incomum, é uma evolução do estado anterior, quando o alheamento da realidade e temperamento ansioso já poderiam ser observados.


Na fase inicial da doença, portanto, é possível notar que a pessoa apresenta indícios como:

  • desinteresse com a vida social e gradativo isolamento, afastando-se de amigos e convívios que faziam parte de sua rotina;

  • alterações no humor, sinalizada por uma certa apatia e/ou irritabilidade exacerbada;

  • concentração prejudicada e desmotivação, repercutindo em sua produtividade nas atividades profissionais ou do dia a dia;

  • desleixo com a aparência e higiene pessoal;

  • dificuldades para dormir;

  • fala e escrita confusas;

  • mudanças na personalidade.

Deve-se notar que esta lista não é exaustiva dos sintomas iniciais da esquizofrenia paranoide. Apenas sugere comportamentos que não devemos ignorar.


Alucinações como sintomas da esquizofrenia paranoide


Conceitualmente, uma alucinação é um distúrbio sensorial que produz falsas impressões visuais, táteis, olfativas, auditivas e gustativas (ou seja, em qualquer um dos 5 sentidos).


No diagnóstico de esquizofrenia, a percepção de alucinações frequentes é um sintoma distinto. Embora outros sentidos possam ser afetados, eles geralmente são de natureza mais auditiva e visual.


Dentre os exemplos de alucinações comumente relatadas, os pacientes afirmam:

  • ouvir vozes de fontes externas, que conversam com ele e, geralmente, dizem coisas que deve fazer – ou o xingam, humilham e julgam;

  • ouvir, dentro da mente, vozes ou pensamentos alheios, que também impõem ordens e comandos, ou enfatizam ideias negativas de culpa, escárnio e degradação;

  • escutar músicas, assobios, risadas, zumbidos, chiados ou ruídos estranhos, que ninguém mais percebe;

  • sentir que seus pensamentos estão sendo escutados por todos;

  • ver personagens minúsculos surgirem entre objetos e pessoas reais;

  • ver imagens de pessoas, objetos, entidades, pontos de luz ou cores;

  • ver a si mesmo projetado fora do corpo ou ter capacidade de se enxergar por dentro;

  • ver cenas de acontecimentos (por vezes terríveis, como incêndios e assassinatos);

  • enxergar letras ou palavras onde não estão;

  • tocar em objetos ou ser tocado por pessoas que, na verdade, não existem;

  • sentir gostos ou cheiros estranhos na comida ou bebida (muitas vezes concluindo que há veneno nas mesmas).

Delírios como sintomas de esquizofrenia paranoide


O delírio pode ser definido como uma crença inabalável, uma crença que não corresponde à realidade. Em outras palavras, o paranóico assume como verdade um juízo adequado à realidade, que não pode ser dissipado por argumentos ou raciocínios lógicos feitos por outra pessoa.


Exemplos clássicos de delírios experimentados por pacientes com esquizofrenia paranoide são:

  • percepção de que algo está sendo tramado contra ele;

  • sentir que é alvo de espionagem, conspiração, envenenamento ou perseguição;

  • interpretar trechos de livros, jornais, revistas ou comentários televisivos como recados dirigidos especialmente a ele;

  • acreditar ser outra pessoa (como Napoleão, para citar uma referência emblemática) ou algum deus;

  • crer que é amado por uma pessoa que nem o conhece, como um artista, um ídolo, uma personalidade famosa ou mesmo um estranho que vê na rua;

  • afirmar ser muito próximo de figuras notórias;

  • contar que possui uma grande fortuna ou talentos especiais, superpoderes e dons sobrenaturais;

  • convicção da infidelidade do cônjuge, agindo de forma possessiva e com ciúmes exacerbados;

  • acreditar que existem insetos ou parasitas infectando seus órgãos, bem como perceber deformações em parte de seu corpo;

  • crer que seus pensamentos estão sendo controlados por agentes externos (como o governo ou alienígenas).

Esquizofrenia paranoide: possíveis causas


As pesquisas sobre as causas da esquizofrenia são inconclusivas. A hipótese mais aceita é que a doença seja multifatorial, sugerindo que pessoas com certas vulnerabilidades biológicas desenvolvam sintomas além de estressores psicológicos, ambientais ou físicos.


Dessa forma, listamos fatores que podem ajudar a explicar o desenvolvimento da esquizofrenia paranoide. Mas tenha em mente que nenhuma delas é uma resposta definitiva para entender o caso. A imprecisão na causa acaba dificultando o diagnóstico da doença.


As possíveis causas de vulnerabilidade ao transtorno são:

  • predisposição genética e hereditariedade;

  • desequilíbrio bioquímico;

  • infecções ao longo da gestação;

  • falta de oxigênio ou traumas no momento do parto ;

  • desnutrição durante a gestação ou baixo peso ao nascer;

  • pais com idade avançada na ocasião da concepção;

  • infecções virais;

  • uso de drogas na adolescência.

Como diagnosticar?


Os sintomas, especialmente nos estágios iniciais, podem passar despercebidos. Como, no caso dos homens, o transtorno começa em uma idade apropriada ao final da adolescência, não é incomum que os sintomas sejam confundidos com o comportamento normal da idade.


Infelizmente, atrasos no diagnóstico - uma média de sete anos entre os primeiros sintomas e o diagnóstico da doença - impedem o tratamento precoce, o que levaria a resultados mais eficazes.


Como não há uma base biológica clara para a esquizofrenia, também é impossível detectá-la com testes laboratoriais. No entanto, existem duas maneiras básicas de diagnosticar a doença.


Uma delas é a exigência de exames de sangue, tomografia computadorizada e ressonância magnética. Isso porque outras possíveis causas de sintomas, como tumores cerebrais, esclerose múltipla, epilepsia e doença de Alzheimer, devem ser investigadas. Portanto, uma pessoa trabalha por exclusão.


Outra medida foi uma avaliação psiquiátrica apoiada pelos critérios do Manual Diagnóstico e Estatístico (DSM-5) e da Classificação Internacional de Doenças (CID-10). O psiquiatra entrevistará o paciente e sua família, investigará seu histórico médico, observará a descrição dos sintomas e o tempo dos sintomas, etc.


O diagnóstico nesta fase também precisa ser excluído de acordo com os seguintes princípios. Como sintomas semelhantes podem ocorrer com doenças mentais, é necessário que os psiquiatras descartem a depressão ou o transtorno bipolar.


Tem cura?


Não há cura para a esquizofrenia, mas existem tratamentos. O psiquiatra indicará a medicação mais adequada, e os antipsicóticos são a base da prescrição. Este é um tratamento contínuo que não pode ser interrompido.


A hospitalização, imaginada como medida rotineira, ocorre apenas em circunstâncias excepcionais: em momentos de crise ou quando os sintomas são muito proeminentes, colocando o paciente em risco.


Ocasionalmente, a eletroconvulsoterapia pode ser considerada quando o tratamento farmacológico não alcança resultados satisfatórios. É importante esclarecer que é indolor e diferente dos estereótipos a que estamos acostumados, sabendo que é a versão antiga retratada nos filmes.


As doenças mentais são um desafio. Tanto para quem sofre com elas quanto para quem precisa lidar com pessoas que convivem com a doença. Buscar informação é o primeiro passo para obter bons resultados.


1 visualização0 comentário