Sintomas de depressão: 12 sinais para ficar atento



Você sabe identificar quais são os sinais de depressão? A depressão ou transtorno depressivo é um transtorno de humor comum nos dias atuais, mas não significa que deve ser tratado como algo normal. Afinal, a depressão desperta sentimentos de tristeza e perda de interesse em atividades que antes eram prazerosas.


A depressão pode afetar não só a estabilidade emocional do indivíduo como, também, a parte física. Trata-se de um transtorno capaz de afetar as relações interpessoais do paciente, a qualidade do sono, a execução de tarefas corporativas e de bem-estar.


Dessa forma, os sintomas da depressão afetam a maneira como você se sente, pensa e lida com atividades rotineiras, tais como dormir, comer ou trabalhar, e devem se fazer presentes por pelo menos duas semanas para que o indivíduo seja diagnosticado.


Não confunda depressão com tristeza


A perda de um emprego, a morte de um ente querido ou o fim de um relacionamento são situações difíceis de uma pessoa lidar e, principalmente, suportar. Com isso, é normal que sentimentos de tristeza e luto ocorram em resposta a tais acontecimentos.


Ficar triste tem pouca relação com a depressão. O processo de tristeza é único e natural na vida de cada pessoa. No luto, por exemplo, o indivíduo partilha dos mesmos sinais da depressão. Ou seja, tanto o luto quanto a depressão podem envolver tristeza e perda de prazer em realizar tarefas habituais.


É importante lembrar que eles também são diferentes nos seguintes pontos:

  • No luto, sentimentos dolorosos vêm em ondas, muitas vezes misturadas com lembranças positivas do falecido;

  • Na depressão maior, o humor e o interesse (prazer) reduzem durante a maior parte das semanas;

  • No luto, a autoestima é geralmente mantida. Na depressão maior, sentimentos de inutilidade e auto-aversão são comuns.

Na maioria dos casos, a morte de um ente querido pode desencadear uma depressão grave. Perder um emprego, ser vítima de um relacionamento abusivo ou de um grande trauma são situações capazes de desenvolver depressão em algumas pessoas.


Quais são os sinais da depressão?


Em primeiro lugar, é válido ressaltar que 5,8% da população brasileira sofre com depressão. Ou seja, o transtorno afeta 11,5 milhões de pessoas, segundo dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).


No entanto, os dados retratam apenas pessoas que foram diagnosticadas com depressão, e não aquelas que possuem o transtorno, porém, não sabem. Então, confira alguns dos sinais mais comuns do transtorno depressivo:

  1. Humor triste, ansioso ou ‘’vazio’’ persistente;

  2. Sentimentos de desesperança, luto ou pessimismo;

  3. Irritabilidade;

  4. Sentimentos de culpa, inutilidade e desamparo;

  5. Perda de interesse ou prazer pela vida, hobbies e atividades;

  6. Redução de energia ou fadiga;

  7. Mover ou falar mais devagar;

  8. Dificuldade de concentração, lembrança ou tomada de decisões;

  9. Dificuldade para dormir, despertar de manhã cedo ou dormir demais;

  10. Apetite e alterações de peso;

  11. Pensamentos de morte ou suicídio, ou tentativas de suicídio;

  12. Dores, dores de cabeça, cólicas ou problemas digestivos sem uma causa física clara e / ou que não se aliviam mesmo com o tratamento.

Como evitar a depressão?


Assim como em boa parte dos transtornos mentais, a depressão tem recaída. Isso é fato. 50% das pessoas que têm ou já tiveram um episódio de depressão mais grave terão recaídas, e essa possibilidade é maior se elas já lidaram com mais de um quadro da doença.


Contudo, após um bom tratamento médico, é possível introduzir alguns cuidados na rotina para evitar recaídas. Vale lembrar que este processo de mudança é uma ótima saída para tratar o transtorno depressivo e, claro, para promover bem-estar ao dia a dia.


1. Atente-se ao excesso de trabalho


No caso da depressão, permanecer ocupado é uma ótima saída para desvencilhar-se de pensamentos e emoções negativas. No entanto, lidar com muitas atividades e tarefas, pode vir a ser um enorme problema.


Sentir-se oprimido gera estresse, e o estresse, por sua vez, é um fator que pode desencadear depressão. Além disso, rotinas e experiências estressantes podem agravar ainda mais os sintomas do transtorno depressivo, impactando o bem-estar do indivíduo.


Portanto, reconheça os seus próprios limites e não tente agarrar o mundo com uma mão só. Mantenha a sua vida equilibrada e se comprometa apenas com aquilo que sua saúde mental permite realizar.


2. Exercite-se com frequência


Uma das melhores maneiras de prevenir a depressão é praticar exercícios físicos com frequência. Segundo Gerard Sanacora, professor de psiquiatria da Universidade de Yale, o exercício físico é um antidepressivo por si só e pode agir como um antídoto para o estresse.


Uma análise de 2009 descobriu que o exercício ameniza a depressão, bem como a terapia cognitivo-comportamental (TCC) ou antidepressivos.Uma combinação de resistência e aeróbica parece melhor do que o exercício aeróbico sozinho. Exercícios com foco meditativo, como mindfulness, tai chi e yoga, também contribuem.


3. Evite álcool e drogas


Outro ponto fundamental é ficar longe de álcool e drogas, afinal, ambas substâncias podem interferir no resultados de medicamentos para depressão e alterar o seu humor - e não de uma forma positiva.


O fato é que o álcool é um depressor, e muitas drogas empobrecem a serotonina e a dopamina, que são neurotransmissores importantes para o desenvolvimento do humor. Com isso, é ideal que pessoas em tratamento contra depressão fiquem longe do álcool.


4. Tente manter a gratidão


Gratidão é uma atitude e um estilo de vida que comprovadamente trazem muitos benefícios para a saúde, tais como felicidade, satisfação com a vida e a maneira como nos relacionamos com os outros.


Em outras palavras, está intimamente relacionado à sua atenção ao presente e à plena consciência da apreciação que temos agora, ao invés de querer mais e mais.


Sentir e expressar gratidão transforma nosso foco mental em um foco positivo, o que neutraliza a tendência natural de nosso cérebro de se concentrar em ameaças, preocupações e aspectos negativos da vida.


5. Psicoterapia


Por fim, a psicoterapia é a melhor saída para tratar a depressão. Um profissional especializado pode recomendar o tratamento adequado para lidar com o transtorno, além de ser um centro de desabafo para o paciente.


Se você sente que precisa de tratamento psicológico, entre em contato com os profissionais da Lapidando Mentes!


5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo