Transtorno de bipolaridade: tipos, sintomas e tratamentos



O transtorno bipolar, também conhecido como doença maníaco-depressiva, é um transtorno cerebral que causa alterações anormais no humor, energia, níveis de atividade e na capacidade de realizar tarefas cotidianas.


O transtorno bipolar afeta cerca de 4% dos pacientes adultos. No Brasil, o número de pessoas diagnosticadas com a doença pode chegar a 6 milhões.


Existem quatro tipos básicos de transtorno bipolar. Todos eles envolvem mudanças marcantes nos níveis de humor, energia e atividade. Esses estados emocionais podem variar de comportamentos extremamente "para cima", exaltados e energéticos (chamados episódios maníacos) a períodos de muita tristeza, "para baixo" ou desesperança (chamados episódios depressivos). Períodos maníacos menos graves são chamados de episódios hipomaníacos.


Quais são os tipos de transtornos de bipolaridade?


Como mencionado anteriormente, há 4 tipos comuns de transtorno bipolar. São eles:


Transtorno Bipolar I


Definido como um episódio maníaco com duração de pelo menos 7 dias, ou sintomas maníacos graves o suficiente para exigir hospitalização imediata. Geralmente, episódios depressivos ocorrem também, tipicamente durando pelo menos 2 semanas. Episódios de depressão com características mistas (com depressão e sintomas maníacos ao mesmo tempo) também são possíveis.


Transtorno Bipolar II


Definido por um padrão de episódios depressivos e episódios hipomaníacos, mas não os episódios maníacos desenvolvidos acima.


Desordem ciclotímica (também chamada ciclotimia)


Definida por numerosos períodos de sintomas hipomaníacos, bem como inúmeros períodos de sintomas depressivos de pelo menos 2 anos (1 ano em crianças e adolescentes). No entanto, os sintomas não atendem aos requisitos diagnósticos para um episódio hipomaníaco e um episódio depressivo.


Outros Transtornos Bipolares e Relacionados Especificados e Não Especificados

Definidos por sintomas de transtorno bipolar que não correspondem às três categorias listadas acima.


Sinais e sintomas


Pessoas com transtorno bipolar experimentam períodos incomuns de intensidade, mudanças nos padrões de sono e níveis de atividade e comportamentos fora do comum. Esses diferentes períodos são chamados de "episódios emocionais".


As pessoas em episódios maníacos ou depressivos podem experimentar os sinais do quadro abaixo. Quanto o primeiro quadro, destacam-se:

  • Sentir-se muito eufórico ou exaltado;

  • Ter muita energia;

  • Aumentar os níveis de atividade;

  • Sentir-se ‘’nervoso’’;

  • Ter dificuldades para dormir;

  • Tornar-se mais ativo do que o normal;

  • Falar muito rápido sobre coisas diferentes;

  • Ser agitado, irritável ou ‘’sensível’’;

  • Sentir que está pensando muito rápido;

  • Fazer coisas arriscadas, como gastar muito dinheiro ou fazer sexo sem proteção.

Em relação ao episódio depressivo, destacam-se os seguintes sinais:

  • Ter pouca energia;

  • Sentir-se triste, vazio ou sem esperança;

  • Ter níveis de atividade reduzidos;

  • Ter dificuldades para dormir, tendo insônia ou hipersonia;

  • Sentir-se que não podem desfrutar de nada;

  • Preocupação e vazio excessivos;

  • Problemas de concentração;

  • Esquecer as coisas;

  • Ter alterações de apetite;

  • Sentir-se cansado ou preguiçoso;

  • Pensar em morte ou suicídio.

Os episódios de humor são muito diferentes das emoções e comportamentos humanos típicos. Mudanças extremas de energia, atividade e sono acompanham os episódios de humor. Às vezes, incluem uma combinação de sintomas maníacos e depressivos. Isso é chamado de gráfico de recursos mistos.


As pessoas que experimentam episódios com características combinadas podem se sentir muito tristes, vazias ou sem esperança, ao mesmo tempo em que se sentem extremamente energizadas.


Mesmo que as mudanças de humor sejam menos extremas, pode haver polaridades. Por exemplo, algumas pessoas com transtorno bipolar desenvolvem hipomania, uma forma menos grave de mania. Durante um episódio hipomaníaco, uma pessoa pode se sentir muito bem, ser produtiva e funcionar bem. A pessoa pode não sentir um problema, mas a família e os amigos podem ver mudanças de humor e/ou mudanças nos níveis de atividade como possível transtorno bipolar.


Diagnóstico


Sem tratamento adequado, às pessoas com transtorno de bipolaridade podem desenvolver mania grave ou depressão. Um bom diagnóstico e tratamento podem ajudar as pessoas com transtorno bipolar a levar uma vida saudável e produtiva.


Conversar com um psiquiatra ou psicólogo é o primeiro passo para alguém com suspeita de transtorno bipolar. Um psiquiatra pode completar um exame físico para descartar outras condições.


Se o problema não for causado por outras doenças, um médico pode realizar uma avaliação de saúde mental ou encaminhar para um psiquiatra ou psicólogo com experiência no diagnóstico e tratamento do transtorno bipolar.


Tratamento


O tratamento adequado pode ajudar muitas pessoas – mesmo aquelas com as formas mais graves de transtorno bipolar – a controlar melhor suas mudanças de humor e outros sintomas bipolares.


Um plano de tratamento eficaz geralmente inclui uma combinação de medicação e psicoterapia. O transtorno bipolar é um transtorno para toda a vida. Com o tempo, episódios de mania e depressão frequentemente se repetem.


Entre os episódios, muitas pessoas com transtorno bipolar podem se livrar de suas mudanças de humor, mas algumas podem apresentar sintomas persistentes. O tratamento contínuo pode ajudar a controlar esses sintomas a longo prazo.


Também pode afetá-lo quando um amigo ou membro da família tem transtorno bipolar. Cuidar de alguém com transtorno bipolar pode ser estressante. Você tem que lidar com mudanças de humor e, às vezes, outros problemas, como beber demais. Às vezes, o estresse pode prejudicar seus relacionamentos com os outros. Os cuidadores podem faltar ao trabalho ou perder tempo livre.


Se você está cuidando de alguém com essa condição, cuide de você também. Encontre alguém com quem você possa falar sobre seus sentimentos. Procure um psicólogo, e também faça terapia também. Peça orientações sobre grupos de apoio para cuidadores. Se você mantiver seu nível de estresse baixo, você fará um trabalho melhor, e poderá ajudar o seu amado a manter o seu tratamento.


12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo