Transtorno Explosivo Intermitente: sintomas e tratamentos



O transtorno explosivo intermitente (TEI), como o nome sugere, é um distúrbio psicológico que causa episódios recorrentes de comportamento agressivo.


Em sua vida, você provavelmente conheceu várias pessoas "rabugentas". Elas parecem gostar de lutar porque onde quer que vão há muito conflito. No entanto, o comportamento excessivamente irritável indica perda emocional extrema, especialmente quando se trata de raiva.


O que é Transtorno Explosivo Intermitente?


O TEI é caracterizado por uma incapacidade de controlar os impulsos de raiva. As pessoas com esse transtorno têm comportamento agressivo e explosões de raiva que são desproporcionais à situação.


A raiva é tão intensa que eles perdem o controle de si mesmos, deixando que o sentimento os cegue para a realidade. Elas também interpretam mal os eventos por raiva. Então eles sempre parecem estar brigando com alguém ou ficando irritados com uma situação. São vistos como "pessoas difíceis" no ambiente que frequentam.


Esses indivíduos gritam, xingam, destroem objetos, ferem animais e podem recorrer a ataques físicos dependendo da situação. Quando a raiva passa, eles geralmente sentem arrependimento, vergonha ou culpa por suas ações.


O transtorno tende a aparecer com alterações na adolescência, geralmente após os 16 anos, e se consolidar na idade adulta. Porém, os primeiros sintomas também podem aparecer entre os 25 e os 35 anos.


Além disso, esta é uma condição mais comum em homens. O TEI geralmente ocorre concomitantemente com outros transtornos psiquiátricos, como depressão, transtorno bipolar e ansiedade. Da mesma forma, o uso prolongado de substâncias pode desencadear essa condição.


Sintomas do Transtorno Explosivo Intermitente


Para uma pessoa diagnosticada com o TEI, seu comportamento e sentimentos precisam atender a um conjunto de critérios. A frequência e a intensidade dos episódios violentos são fatores observados pelos profissionais de saúde.


Essa avaliação é necessária para determinar se o comportamento de uma pessoa com raiva é realmente patológico. Algumas pessoas ficam com raiva mais facilmente do que outras, e isso não significa que elas tenham transtorno explosivo intermitente.


O DSM V divide as expressões de raiva em duas categorias. Os considerados "leves" foram ameaças, xingamentos, insultos, gestos obscenos, ataques com objetos e ataques sem lesões corporais. Eles devem ocorrer pelo menos duas vezes por semana durante três meses.


Por outro lado, os "sérios" incluem danos à propriedade e agressão física resultando em lesões pessoais graves. Essas manifestações de raiva devem ocorrer pelo menos 3 vezes ao longo de um ano. Em ambos os casos, a maioria das birras deve ser causada por problemas superficiais e eventos cotidianos.


O transtorno explosivo intermitente também apresenta os seguintes sintomas:

  • Comportamento reativo;

  • Ataques de raiva;

  • Agressões físicas e verbais;

  • Irritabilidade e impaciência;

  • Reações descontroladas que causam a destruição de objetos;

  • Aumento dos batimentos cardíacos;

  • Impulsividade;

  • Tensão muscular;

  • Descontrole emocional;

  • Enxaqueca;

  • Sudorese;

  • Tremores pelo corpo;

  • Sentimento de culpa, vergonha ou arrependimento após o ataque de raiva.

Causas do Transtorno Explosivo Intermitente


Por se tratar de uma condição psicológica, o transtorno explosivo intermitente de personalidade possui várias causas.


Fatores genéticos


Acredita-se que a principal causa da TEI seja genética. É passado de pai para filho, especialmente em famílias com outras condições, como transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e transtorno de ansiedade generalizada.


Fatores ambientais


Foi determinado que a maioria das pessoas diagnosticadas com o transtorno cresceu em famílias ou em ambientes onde o comportamento agressivo frequente era visto como normal.


A exposição repetida à violência pode levar algumas pessoas a internalizar essas atitudes como um fenômeno geral. Assim, na adolescência e na idade adulta, repetem os mesmos comportamentos que faziam na infância.


Quando a violência ocorre com frequência nos primeiros três anos de vida, os indivíduos são mais propensos a se envolver em comportamentos violentos no futuro.


Fatores biológicos


A disfunção na produção de serotonina, um hormônio da felicidade diretamente ligado à depressão, também pode desencadear a condição.


O Transtorno Explosivo Intermitente tem cura?


O transtorno explosivo intermitente é tratável. Pessoas com TEI devem acompanhar um psicólogo para aprender a controlar suas emoções e expressar a raiva de maneira saudável.


No entanto, até agora, não há uma cura clara. A terapia cognitivo-comportamental (TCC) é uma abordagem psicológica eficaz para tratar esse transtorno. Por meio dele, os pacientes aprendem a substituir comportamentos prejudiciais à sua saúde mental e daqueles ao seu redor por comportamentos saudáveis.


Remédios caseiros também podem ajudar pacientes com esse distúrbio. As relações familiares são muitas vezes abaladas por conflitos e brigas constantes, por isso podem precisar ser reparadas. A terapia familiar promove a resolução pacífica das diferenças e laços mais fortes.


Em alguns casos, a terapia de grupo é uma opção para ajudar os pacientes a controlar seu temperamento. Pessoas com a mesma doença se reúnem para compartilhar experiências e receber tratamento juntos nesta modalidade terapêutica.


Por fim, o tratamento também pode ocorrer com o auxílio de medicamentos psiquiátricos, prescritos pelo médico psiquiatra, para suavizar a intensidade dos sintomas. A necessidade da ingestão desses fármacos será definida ao longo do tratamento.


12 visualizações0 comentário