Tratamento para dependência química: como funciona?



Embora muita gente não saiba, há, sim, uma série de tratamentos recomendados para a dependência química. Inclusive, muitas vezes diversas terapias são utilizadas em conjunto para obter os melhores resultados.


O que é dependência química?


Dependência química é um termo usado para designar a ingestão de drogas e o consumo excessivo de álcool. Mesmo após a ocorrência de problemas de saúde e na vida pessoal devido ao uso dessas substâncias, a ingestão tende a continuar.


A qualidade de vida dos indivíduos dependentes diminui significativamente porque grande parte de suas vidas gira em torno do vício. Ele tenta consumir cada vez mais das substâncias de que dependia, por isso era difícil mantê-lo.


O dependente também não cumpre seus compromissos diários, como trabalho e estudo. Como os indivíduos dependentes apresentam sintomas de abstinência e comportamentos inadequados, o relacionamento com a família e os amigos também é afetado.


Infelizmente, o dependente não consegue aceitar que é viciado. Desse modo, as pessoas próximas a ele sofrem tentando ajudá-lo ou observando sua dor.


Assim, a única forma de cessar o sofrimento emocional, psicológico e físico tanto para o dependente quanto para os entes queridos é buscando o tratamento para dependência química.


Sintomas da dependência química


Os sintomas da dependência química geralmente incluem:

  • Ingerir grandes quantidades de drogas ou de bebida alcoólica;

  • Fazer a ingestão dessas substâncias por um longo período;

  • Desejar ou tentar sem sucesso reduzir ou controlar o uso de substâncias químicas;

  • Desejar frequentemente usar drogas ou ingerir álcool, mesmo sabendo de seus efeitos negativos e do período de recuperação;

  • Ter demais áreas da vida interrompidas ou afetadas por conta do uso dessas substâncias, como trabalho, estudo e relacionamento;

  • Desistir ou reduzir o engajamento com atividades de lazer devido ao uso de drogas ou álcool;

  • Ter comportamentos de risco, como dirigir alcoolizado;

  • Desenvolver tolerância ou necessidade de usar mais drogas ou álcool para obter o mesmo efeito; e

  • Ter sintomas de abstinência se não estiver usando drogas ou álcool.

Como a dependência química surge?


A dependência química ocorre porque certas substâncias acionam o sistema de recompensa localizado no cérebro. Com o tempo, ele busca apenas o prazer causado pelas drogas ou pelo álcool, mesmo que seja de curta duração.


Quando a dependência vence, o dependente perde o controle de seu comportamento. Portanto, ele não pode controlar o desejo de consumir uma determinada substância. Suas habilidades de tomada de decisão são severamente afetadas, levando-o a se envolver em um comportamento irresponsável e arriscado a fim de satisfazer as necessidades do sistema de recompensa do cérebro.


Além disso, sua capacidade de lidar com problemas e planos também é afetada. À medida que a tolerância às substâncias ingeridas aumenta, os indivíduos dependentes necessitam de doses cada vez mais altas para obter o mesmo efeito. Quando isso falhar, ele apresentará sintomas de abstinência.


Vários fatores além dos biológicos influenciam o desenvolvimento da dependência. Elementos sociais e culturais, por exemplo, determinam quais substâncias são aceitáveis para o consumo, bem como os momentos considerados apropriados para tal. Uma pessoa pode passar a consumir drogas ou álcool em um contexto social permissivo (festa, reunião de amigos, sua residência) e se tornar dependente.


Qual o melhor tratamento para dependentes químicos?


A duração do tratamento selecionado pode variar dependendo da condição psicológica do viciado e da gravidade da dependência química. Cada caso deve ser avaliado em relação às nuances da vida do paciente. Os principais tipos de tratamento para dependência química são:


1. Desintoxicação


Esta é a etapa inicial de todos os tipos de tratamento para dependentes químicos. Envolve a ingestão de doses cada vez menores da substância que causa dependência até que o organismo se acostume a viver sem ela.


Durante esta fase, os sintomas de abstinência tendem a ser frequentes e o comportamento do viciado muda temporariamente. Ele pode ficar mais impaciente e zangado devido à falta de substância.


Por ser um processo físico e mentalmente desgastante, o acompanhamento por um médico é essencial. Outras formas de terapia também podem ser usadas em paralelo para reduzir a instabilidade emocional do paciente. A desintoxicação dura cerca de 20 a 45 dias.


2. Psicoterapia


O apoio psicológico é muito importante durante qualquer tipo de tratamento da dependência química. Além de ajudar a manter a estabilidade emocional dos pacientes, a psicoterapia também fornece orientações para ajudar os pacientes a evitar comportamentos e situações perigosas.


Outro destaque é que os transtornos mentais podem ser identificados ao longo do processo. O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) determinou que aproximadamente 35 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de certos tipos de doenças devido ao uso de drogas, sendo a depressão a mais comum.


A depressão também pode levar ao abuso de drogas e álcool, mas não o resultado. Para controlar os sintomas desagradáveis ​​da doença, as pessoas com depressão buscam o prazer de produtos químicos. Eles se tornam sua válvula de escape, levando à dependência química.


3. Medicamentos


Os medicamentos também podem constituir um tratamento para pessoas dependentes químicas. Eles são selecionados pela equipe multiprofissional responsável pelo paciente. Se for determinado que precisa ser usado, ele é monitorado para evitar o abuso de drogas.


Nesse caso, esses medicamentos podem substituir substâncias ingeridas para prevenir a abstinência. Analgésicos prescritos para dores no corpo e enxaquecas também são comuns.


4. Internação


Em alguns casos, a hospitalização pode ser a melhor opção para indivíduos dependentes e seus familiares. Longe de um ambiente onde o abuso de drogas é prevalente e/ou aqueles que incentivam o vício são pré-requisitos para esse tipo de tratamento.


É para situações em que o dependente não consegue lidar com o vício, de preferência de forma voluntária. Todavia, às vezes o dependente está tão doente que se recusa a fazer o tratamento, podendo ser necessário interná-lo de modo compulsório. Essa decisão deve ser tomada em conjunto com especialistas, como o psiquiatra e o psicólogo.


Inclusive, é interessante unir qualquer tipo de tratamento a terapia, para que a saúde mental e o bem-estar emocional sejam mantidos durante o processo.


10 visualizações0 comentário