Autocobrança: 5 dicas simples para evitar

Atualizado: 10 de jun. de 2021




Nascemos em uma sociedade em que todas atividades e tarefas que nos submetemos a fazer precisam ter um objetivo final relevante, como ganhar dinheiro, obter reconhecimento profissional, aumentar o capital financeiro ou mesmo sermos amados e acolhidos.


Isso acontece de forma tão automática que não percebemos o quanto a autocobrança afeta o nosso emocional, fazendo com que nossos gostos e escolhas sejam colocados à prova a todo momento. Como consequência, não percebemos a diferença entre o ‘’eu gosto de fazer’’ e ‘’isso é o certo a se fazer’’.


Vale mencionar, também, as coisas que você deixa de fazer por falta de oportunidade ou tempo, mas que, ainda sim, ficam martelando em sua cabeça, te lembrando o tempo todo de que a vida está passando e que você está ficando para trás.


Se você se sente assim, fique tranquilo! A autocobrança é um sentimento comum entre a maioria das pessoas, principalmente quando pensamos em uma comunidade na qual é preciso conquistar um diploma aos 22 anos e construir uma vida sólida antes dos 30.


Pressões - internas e externas -, infelizmente, são problemas recorrentes no dia a dia, e nem sempre dependem de nós para evitá-las. Mas, para facilitar esse processo, preparamos um conteúdo rico para que você entenda como evitar a autocobrança. Confira!


A autocobrança


A autocobrança, resumidamente, é a busca constante pela perfeição. Trata-se de um conceito utilizado para definir o quanto nós, seres humanos, buscamos realizar inúmeras tarefas e atividades para provar algo a si mesmo ou a comunidade em geral.


O sentimento de ficar devendo leva ao aborrecimento consigo mesmo, a crer que o que faz nunca será o suficiente, desenvolve o hábito de procrastinar e um ciclo vicioso que compromete o amor-próprio e a autoconfiança.


Além disso, a comparação também faz parte da autocobrança. Quando olhamos a vida do outro, temos a sensação de que estamos atrasados em algo. Isso pode acontecer no âmbito profissional, como nas questões que envolvem o crescimento de carreira, ou no aspecto pessoal, como casar antes dos 30 anos.


O fato é que a comparação é capaz de desestabilizar o emocional, além de interferir no sentimento de realização pessoal e profissional. Aceitar que podemos falhar, e que assim podemos ser amados, depende da relação que construímos com o nosso ‘’eu’’ mais íntimo.


5 dicas simples para evitar a autocobrança


Experimentar o amor-próprio é o primeiro passo para o desenvolvimento da inteligência emocional do indivíduo, e até mesmo para o desenvolvimento da estima. Dito isto, veja, a seguir, 5 dicas simples para evitar a autocobrança.


1. Pratique o autoconhecimento


O autoconhecimento é uma forma para controlar muitos dos problemas que surgem em nossa vida. Isso porque, através dele, conseguimos entender os nossos sentimentos, aprendemos a nos ouvir e a avaliar com clareza os riscos que cada situação oferece.


Além do mais, com o autoconhecimento é possível entender com clareza como nos sentimentos em relação ao mundo e as pessoas, e os aprendizados que podemos extrair de cada experiência - positiva ou negativa.


A boa notícia é que há vários métodos para desenvolver o autoconhecimento. Entre os mais simples de serem inseridos na rotina, podemos mencionar:

  • Livros de autoajuda;

  • Meditação;

  • Yoga;

  • Terapia;

  • Journaling.

Lembre-se que o segredo do autoconhecimento é reservar um tempo para refletir sobre sua vida e cuidar de si mesmo. Correndo, cozinhando ou praticando qualquer atividade que lhe faça bem, procure sempre olhar para dentro, entender suas emoções e escutar o que seu eu interior tem a dizer.


2. Liberte-se das comparações


Não meça a sua vida com a régua da vida alheia. Entenda que todos nós somos seres especiais, com oportunidades e trajetórias diferentes.


Se você tem o hábito de acessar o Instagram todos os dias, muito provavelmente tem se deparado com um feed de pessoas que acordam cedo para treinar, outras que trabalham o dia inteiro e tiram a noite para estudar um novo idioma, e por aí vai.


No entanto, tenha em mente que as redes sociais representam apenas uma parte da rotina das pessoas, ou seja, não podemos tomar um feed organizado como verdade e, principalmente, medir nossos resultados com base na métrica dos outros. Portanto, saiba que os indivíduos mostram só o que eles querem, escondendo boa parte do cotidiano.


3. Fique um tempo fora das redes


É claro que as redes sociais são plataformas incríveis de entretenimento. Por meio delas, é possível interagir com outras pessoas, criar novos relacionamentos e, também, trabalhar.


Contudo, falando um pouco mais sobre o tópico anterior, sabemos que muito do que está ali é mais utópico que real, o que, em momentos de autocobrança, pode ser o gatilho da ansiedade e da pressão interna.


Dessa forma, busque desconectar em algumas situações. Tire 30 minutinhos do seu dia para ficar longe das redes e refletir sobre a sua vida. Use esse tempo para ler um livro, praticar algum esporte ou qualquer outra coisa que lhe faça bem.


4. Pensamento coletivo


Outro ponto importante para evitar a autocobrança é o pensamento coletivo. Afinal, todo problema tem milhares de vertentes e meios diferentes de ser resolvido. Tudo depende de cada pessoa, lugar e entendimentos distintos de uma mesma situação.


Colocar-se como parte do coletivo, portanto, é uma excelente alternativa para diminuir a pressão. Ao observar um problema a partir da perspectiva de um grupo, conseguimos entendê-lo, ressignificá-lo e, quem sabe, solucioná-lo de uma forma mais assertiva.


Com a pandemia gerada pelo coronavírus (Covid-19), foi necessário adotar outros meios de comunicação, a fim de evitar a disseminação do vírus. Sendo assim, aproveite as videoconferências e debata o assunto com quem você ama.


5. Busque ser criativo


Por fim, vale ressaltar que a criatividade é uma excelente manobra para colocar a cabeça em movimento. Ao contrário do que muita gente pensa, a criatividade não é um talento, e sim uma habilidade que pode ser desenvolvida com a prática.


De forma resumida, ser criativo não é criar projetos inovadores e ter ideias inusitadas. Ser criativo é, simplesmente, estar aberto para novas ideias. Diante disso, invista em projetos manuais, escreva, dance, cozinha… faça tudo aquilo que tire você da sua zona de conforto.


E você? O que faz para diminuir a autocobrança? Compartilhe nos comentários e não se esqueça: tudo vai dar certo!


15 visualizações0 comentário