Como ter uma boa relação com os filhos?


Construir uma boa relação com os filhos é fundamental para o desenvolvimento mental, emocional e cognitivo dos seres humanos. Por isso, cultivar este relacionamento é algo que deve ser feito desde a gestação, a fim de fazer com que os elos sejam construídos de maneira forte e saudável.


O fato é que ter filhos faz com que os pais descubram novos sentimentos, novas responsabilidades e, principalmente, novas alegrias. Independentemente se o casal já possui filhos, toda experiência é única, assim como todo ser é peculiar à sua maneira.


Dessa forma, construir uma boa relação com os filhos não é importante apenas para o desenvolvimento psicológico e estrutural do ser, como, também, para os pais. Isso acontece porque a criança se sente segura para falar sobre sua rotina, desafios e prazeres, criando um espaço de diálogo aberto.

Há ainda genitores que não acompanharam os filhos desde a gestação, e querem recuperar o tempo perdido na adolescência. Talvez, essa seja a fase mais desafiadora para se construir bons relacionamentos. Felizmente, existem meios para recuperar este vínculo.


Neste conteúdo, você verá os seguintes tópicos:

  • Qual a importância de uma boa relação com filhos?

  • Quais são as dificuldades da relação entre pais e filhos?

  • Como ter uma boa relação com os filhos em 8 passos;

  • Como pais de primeira viagem devem agir?

Qual a importância de uma boa relação com os filhos?


Construir e manter uma boa relação com os filhos e pais é essencial para o desenvolvimento de qualquer pessoa. É fundamental que uma criança jamais se sinta sem apoio ou sem amor, afinal, isso pode impactar as relações interpessoais deste ser no futuro.


Uma vez que a criança se sente desamparada pelos pais, tende a refletir uma carência afetiva ao longo da vida, criando expectativas em seus relacionamentos futuros e frustrando-se quando as mesmas não são atendidas.


A boa relação com os filhos deve ser construída ainda na gestação, sendo mantida pelos próximos anos. Com isso, é preciso considerar que a partir de relacionamentos familiares saudáveis é que a criança aprende a se relacionar com os demais.


Nesse sentido, quando esse ser tiver filhos, ele os criará com muito amor, repassando tudo o que foi transmitido por seus pais. Da mesma forma, o jovem será capaz de permanecer próximo a pessoas saudáveis e saberá reconhecer um relacionamento tóxico, por exemplo.


Portanto, a importância de uma boa relação com os filhos se dá pelo fato da criança crescer em um lar repleto de amor, compreensão e afeto, no qual ela se sente segura para se desenvolver com autonomia.


Quais são as dificuldades da relação entre pais e filhos?


A maioria dos conflitos entre pais e filhos tem origem na falta de comunicação e compreensão dentro de casa.


De um lado, temos os filhos, principalmente na fase da adolescência, que acreditam fielmente que os pais só querem impor regras e limites. Por outro lado, os pais que pensam que os filhos só querem liberdade e uma série de permissões.


No entanto, a verdade é uma só: todas as partes querem se sentir amadas, acolhidas, valorizadas e compreendidas. Há, ainda, a necessidade de um ser amado pelo outro e, claro, a demonstração desse amor.


É claro que cada filho tem suas peculiaridades, seus desafios e formas distintas de construir uma boa relação. Além disso, as fases que os indivíduos se encontram vão dizer muito sobre como desenvolver um relacionamento forte e saudável.


Durante a infância, os pais precisam lidar com a impulsividade e com a manifestação de emoções muito intensas por parte da criança, tais como medo e raiva. Outro fator que impacta bastante é a falta de tempo, o que torna a ausência dos pais um fator determinante no crescimento do indivíduo.


Como ter uma boa relação com os filhos em 8 passos


Embora as crianças cresçam e, com isso, surjam dificuldades em manter uma boa relação, a confiança, a comunicação e o respeito devem estar sempre presentes na rotina da família.


Com base em conversas frequentes e nos incentivos para manter os vínculos emocionais com os filhos, é possível, sim, construir uma relação de amor e confiança. Para isso, é preciso que o cuidado, o afeto e o amor sejam elementos diários.


Sem mais delongas, saiba agora mesmo o que você pode fazer para construir uma boa relação com os filhos.


1. Não deixe de conversar


O diálogo é a base para qualquer relacionamento, e com a relação entre pais e filhos isso não seria diferente. Ainda que a criança não saiba falar, converse bastante com ela, fazendo com que a mesma entenda que seus pais se importam com ela.


Sendo assim, converse sobre o seu dia e pergunte a ela como foi o dia na escola ou mesmo o que ela quer fazer mais tarde - desde que esses momentos aconteçam com frequência, de modo a não confundir a cabeça da criança.


Além disso, o diálogo é fundamental para que a criança entenda suas emoções e sentimentos. Sempre que ela demonstrar momentos de raiva, irritação ou se estiver assustada, é essencial que os pais expliquem a natureza desses sentimentos.


Com isso, o seu filho saberá lidar melhor com esses momentos de incertezas e frustrações no futuro, além de se sentir à vontade para falar sobre o que causou essas emoções.


2. Compartilhe uma paixão


Já pensou em compartilhar o seu amor por futebol com o seu filho? Ou mesmo a sua paixão por culinária e outros esportes? Quando pais e filhos dividem a mesma paixão, um hobby ou uma atividade que possam fazer juntos, o relacionamento é reforçado.


No entanto, lembre-se que essa paixão compartilhada deve oferecer a oportunidade de passarem mais tempo juntos, em momentos de interação e de sentimentos relacionados ao amor, prazer e afeto.


Além do esporte e da culinária, você pode compartilhar o amor por um determinado filme ou estilo musical. Essa é uma ótima maneira de fortalecer o vínculo familiar e aumentar a intimidade entre as partes.


3. Seja presente


Estar presente em todos os momentos da vida do seu filho irá determinar a forma em que ela se relaciona com você. Portanto, esteja presente em momentos de alegria, de tristeza e até mesmo de angústia.


Por essa razão, não perca nenhuma ocasião especial, como a festa junina da escola, uma apresentação de dança ou aquele campeonato de futebol. Trata-se de uma medida fundamental para a criança se sentir amada e apoiada pelos pais.


4. Elogie


Quem não gosta de ser elogiado pela capacidade de aprender algo? Principalmente durante a infância e a adolescência, é essencial que as crianças aprimorem suas habilidades e saibam que os pais se sentem orgulhosos com isso.


Sendo assim, elogie a conquista de seus filhos e mostre o quanto você se sente grato e feliz pelo crescimento deles. Essas pequenas atitudes fazem toda a diferença, sendo fundamentais para construir uma boa relação com os pequenos.


É importante que as atitudes consideradas corriqueiras pelos adultos, como acertar um cálculo ou conseguir soletrar uma palavra longa, para as crianças são grandes conquistas. Consequentemente, elas esperam que haja reconhecimento em relação aos seus aprendizados.


5. Ensine o que você sabe


Criar uma boa relação com os filhos também exige que você ensine o que sabe. Pode ser algo voltado para a sua vida profissional, uma tarefa doméstica, um jogo ou até mesmo um passo de dança. O ideal é que você não deixe para depois nenhum momento de interação.


É válido ressaltar que seus filhos possam querer passar seus ensinamentos para as próximas gerações, criando uma espécie de legado.


Na mesma medida, você também pode aprender - e muito! - com o seu filho. Considere esses momentos como oportunidades para trocar conhecimentos e valorizar o aprendizado da família. Lembre-se que as crianças têm coisas incríveis a nos ensinar.


6. Dê liberdade


Você já foi pequeno e sabe o quanto é importante fazer algo que gosta, certo? Então, para realmente criar uma boa relação com os filhos, dê liberdade a eles para que expressem o que fazem de melhor: dançar, cantar, brincadeiras ou conversas.


Oferecer liberdade não é uma forma de construir apenas uma boa relação com os filhos, mas auxiliar na construção da personalidade deles. Não imponha o que você gosta, afinal, cada pessoa possui características e gostos próprios.


É de suma importância que as relações familiares sejam baseadas na confiança e no respeito. Uma vez que existe diálogo, a liberdade se torna algo espontâneo. Isso estimula, inclusive, a busca por independência entre os jovens.


7. Não tenha medo de oferecer amor


Neste conteúdo, falamos muito sobre a base de relações saudáveis e fortes. Por isso, não podemos esquecer do principal: o amor. Não tenha medo de oferecer todo o amor que guarda por seu filho, deixe-o saber disso em todas as situações.


O importante é aceitar as características de cada um e, por mais que seu filho cometa deslizes ou tome decisões com as quais você não concorda, mostre que você continua amando-o mesmo assim.


Caso contrário, quando seu filho não se sentir amado e apoiado pela família, toda a relação que você lutou para construir durante a vida irá ficar abalada. Claro que você precisa ser firme para orientá-lo, mas isso não significa que deve deixar de demonstrar o seu amor.

8. Contribua para o processo de aprendizagem


Se você tiver filhos menores e que estejam em processo de aprendizagem, é fundamental que você participe do cotidiano escolar de cada um deles. Portanto, como falamos anteriormente, esteja atento ao calendário de eventos realizados pelo colégio.


Além disso, é essencial que você auxilie na execução das tarefas realizadas em casa, a fim de estimular o seu filho a falar sobre o que foi dito na aula. Para isso, construa um bom ambiente de estudos e se coloque à disposição para ajudá-lo.


Nesse momento, faça com que seu filho perceba o quanto podem ser ricas as descobertas que vocês farão juntos e o quanto o estudo em casa pode ser proveitoso.


Como pais de primeira viagem devem agir?


Com a descoberta do primeiro filho, é normal se deparar com desafios para aproveitar essa experiência e aceitar algumas necessidades presentes no caminho. Por mais que você seja filho de alguém, quando as posições se invertem, as soluções para os problemas nunca serão as mesmas, principalmente nos primeiros meses de vida de uma criança.


Portanto, tenha em mente que você vai aprender muito durante essa fase. Leia livros, converse com seus pais, tenha a consciência de que os pais não sabem de tudo e ouça sempre os seus filhos e ajude-os a encontrar as melhores soluções para seus problemas.


Lembre-se também que não existe um modelo de família ideal. Sendo assim, evite comparar os seus filhos com os filhos dos amigos e, principalmente, não compare a sua família com a do vizinho. Todos nós temos problemas, embora as causas sejam diferentes.


É importante que os pais de primeira viagem possam contar com uma rede de apoio para terem suporte não só nas tarefas domésticas, mas também no lado efetivo. Pode ser um amigo, vizinho, familiar, entre outras pessoas.


Por fim, construir uma boa relação com os filhos é algo único e que não deve ser desperdiçado. Por isso, quando a família não apoia ou não compreende os desafios da criança, ela acaba procurando apoio em outras pessoas. Não deixe que isso aconteça.


Gostou do conteúdo? Se quiser ficar por dentro de temas voltados para a saúde mental, física e emocional, acompanhe os nossos conteúdos nas redes sociais!



28 visualizações0 comentário