Doenças psicossomáticas: o que são, sintomas e como evitá-las



As doenças psicossomáticas, também chamadas de transtornos somatoformes, são doenças desencadeadas pelo desequilíbrio emocional. Elas são vistas como sinais para avisar que algo não está indo bem na sua mente, bem como com o seu emocional.


Sendo assim, entender o que leva o desenvolvimento de doenças psicossomáticas é essencial para garantir a estabilidade da saúde mental. Afinal, sem auxílio profissional, esses transtornos podem gerar problemas sérios à saúde física do paciente.


Geralmente, os transtornos somatoformes são desencadeados pelo estresse, raiva, tristeza e preocupação excessiva. Os pensamentos e a ansiedade são responsáveis, em parte, pelo surgimento da doença. Isso porque é através deles que nutrimos os nossos sentimentos e emoções.


A mente e o corpo trabalham juntos. Embora muitas pessoas pensem o contrário, eles estão extremamente interligados. É fundamental ficar atento ao seu comportamento, hábitos e palavras, principalmente os sinais que surgem inconscientemente.


O que são doenças psicossomáticas?


Você sabia que quando não tratado da maneira correta, o desequilíbrio emocional ou psicológico pode afetar o funcionamento saudável do seu corpo? No entanto, é quase impossível prever qual parte do corpo será afetada.


Nesse sentido, é importante ressaltar que algumas pessoas possuem uma predisposição genética para determinadas condições, tornando o diagnóstico mais claro e preciso; todavia, não há uma garantia que essa patologia familiar se manifestará.


As doenças psicossomáticas não afetam, ao pé da letra, o organismo. O indivíduo pode fazer vários exames, por exemplo, e não encontrar a causa da dor. Inclusive, é comum que pessoas com sintomas psicossomáticos vão várias vezes ao médico e não encontrem nada.


Nesses casos, o médico logo sugere que o paciente busque um especialista em saúde mental e emocional, tais como um psicólogo ou terapeuta.


O fato é que as pessoas só identificam seus maus hábitos e ações quando surge alguma patologia física. A síndrome de burnout, por exemplo, só chama atenção quando a pessoa não aguenta mais o próprio ambiente de trabalho. Como consequência, palpitações cardíacas, tonturas e desmaios logo aparecem.


Quais são os sintomas das doenças psicossomáticas?


As doenças psicossomáticas podem surgir fisicamente em quase todos os órgãos, além de agravar condições de saúde já existentes. Há sintomas muito comuns, pois aparecem da mesma maneira em uma grande quantidade de pessoas.


Para esclarecer todas as suas dúvidas a respeito do assunto, confira abaixo uma lista completa com sintomas muito comuns:

  1. Cabeça: dor de cabeça, enxaqueca, visão turva, alterações no equilíbrio e na motricidade;

  2. Pele: alergias, coceiras, acne, ardência ou formigamentos;

  3. Garganta: infecções frequentes e sensação de nó na garganta;

  4. Coração e circulação: dores no peito, palpitações, pressão alta e aumento das chances de infarto;

  5. Pulmões: falta de ar e constante sensação de sufocamento;

  6. Estômago: náuseas, azia, gastrite e úlceras;

  7. Intestino: diarreia ou prisão de ventre;

  8. Rins e bexiga: sensação de dor ou dificuldade para urinar;

  9. Órgão sexuais: impotência sexual, diminuição do apetite sexual, dificuldade para engravidar e mudanças no ciclo menstrual;

  10. Músculos e articulações: formigamento, tensão e dores musculares inexplicáveis.

É importante ressaltar que as doenças psicossomáticas se manifestam de formas distintas em cada pessoa. Por isso, é de suma importância consultar um especialista para identificar se os sintomas realmente são causados por esse transtorno.


Quais são as causas das doenças psicossomáticas?


Doenças psicossomáticas possuem a mesma causa: emoções negativas intensas e constantes. Vale lembrar que essa constância pode durar semanas, meses ou até mesmo anos. A forma como o corpo é afetado depende do organismo, genética e estilo de vida.


Além disso, pessoas que estão sempre desanimadas, impacientes ou tristes estão propensas a desenvolverem o transtorno psicossomático. Também é possível desenvolver essa condição em momentos de muita tensão, como antes de uma prova importante.


Mas lembre-se que as causas são únicas e pessoais. Embora a maioria das pessoas tenha uma reação parecida durante situações estressantes, como um assalto ou acidente, os indivíduos podem reagir de maneira única a partir de experiências anteriores.


Uma demissão pode levar alguém a ficar extremamente nervoso enquanto outra pessoa pode agarrar a oportunidade para abrir o próprio negócio. Por isso, é muito importante tentar levar uma vida equilibrada e enxergar o lado bom das coisas.


Como identificar a doença psicossomática?


Se você já passou por uma série de exames ou consultas médicas e, ainda assim, não descobriu a causa de determinado desconforto ou dor, é provável que a doença seja de origem emocional ou psicológica.


Nesse contexto, é de suma importância que você procure um psicólogo ou terapeuta, haja vista que esse profissional poderá confirmar o diagnóstico e encontrar o melhor meio de tratamento.


Caso haja algum elemento que esteja causando desconforto há muito tempo, fica mais simples identificar os sintomas. Do contrário, é preciso que você separe um tempo do seu dia para refletir sobre seus hábitos, comportamentos e ações.


Como obter bem-estar no dia a dia?


Agora que você já sabe tudo sobre doenças psicossomáticas, entendeu a importância de cuidar da saúde mental. Todos nós devemos procurar maneiras de nos sentirmos bem em vez de esperar um aviso do corpo - cujo processo é bem desagradável.


O seu humor não diz respeito apenas a forma que você reage a uma situação engraçada ou triste, mas, sim, o segredo para garantir o seu bem-estar diário. Assim como você deve ter uma alimentação saudável para evitar doenças e manter a saúde do corpo, deve ter como obrigação cuidar do humor.


Isso não significa que você deve estar sempre alegre ou levar alegria por onde passar. Ficar desanimado ou ansioso de vez em quando é absolutamente normal. Além de não ser 100% feliz todos os dias, você não deve forçar um sorriso quando estiver mal. Do mesmo modo, não precisa manifestar seus sentimentos através de grosserias.


O autoconhecimento e o autocuidado são as ferramentas necessárias para que você possa lidar com momentos ruins de maneira saudável e mais tranquila. Para auxiliar neste processo, confira algumas dicas que farão com que você tenha bem-estar no dia a dia:


1. Pense nos fatores que te perturbam


Você tem o hábito de separar um momento da sua semana para refletir sobre sua vida, bem como sobre suas emoções? Se ainda não, é importante começar. A autorreflexão é um exercício fundamental para identificar pontos desagradáveis em sua vida.


Uma boa saída é listar quais são os fatores conflitantes e, depois, pensar em possíveis soluções, mesmo que você as considere impossíveis. Dessa forma, você trará paz e menos estresse para os seus dias.


Inclusive, a autorreflexão facilita a substituição de hábitos negativos por positivos. Se você costuma recorrer a uma garrafa de bebida ou a caixas de chocolate quando se sente frustrado, entenderá que esses comportamentos compulsivos não são saudáveis.


Lembre-se que nem sempre você terá a sua disposição a escolha de obter prazer momentâneo. Portanto, substitua a compulsão por um hábito saudável a fim de prolongar a sua paz de espírito.

2. Desenvolva mecanismos para lidar com situações ruins


Situações ruins não precisam ser sempre situações ruins. Você pode encontrar estratégias para lidar com elas de forma que não causem tanto (ou nenhum) efeito emocional.


Quando você se sentir incomodado com alguma situação ou alguém, respire fundo e analise o sentimento para só depois tomar uma atitude a respeito. Com isso, você perceberá que muitas das reações são inconscientes e que podem, sim, ser controladas.


3. Separe um tempo para cuidar da sua saúde mental


Há um segredo muito simples para tratar uma mente perturbada: autocuidado, também conhecido como dar atenção para si mesmo. Faça o que você gosta, converse com seus amigos, visite aquele restaurante e escolha apenas o que lhe faz bem.


Se possível, separe um tempo para exercitar o cérebro através de atividades relevantes, como medição, yoga, corrida, pintura, música, jogos, pilates, entre outros. O principal benefício de desenvolver um hobby é ter algo para ocupar a mente em tempos difíceis.


4. Conheça práticas de relaxamento


Outra saída simples para promover o seu bem-estar é conhecer práticas de relaxamento, como yoga e meditação. A meditação tem um efeito significativo na mente e no corpo: reduz a pressão arterial, baixa a frequência cardíaca e aumenta o fluxo sanguíneo.


Por outro lado, o yoga faz uso de técnicas mentais e corporais milenares capazes de acalmar e limpar o organismo de energias negativas.


Por meio de boas práticas, você começa a desenvolver bons hábitos, o que melhora a qualidade do sono, da respiração, do controle de processos mentais e proporciona ainda mais tranquilidade e paz. Basta identificar quais métodos são positivos para você!


5. Invista em psicoterapia


Nós sempre ressaltamos a importância da psicoterapia em nossos conteúdos, e neste não poderia ser diferente. A terapia promove autoconhecimento, bem-estar, saúde mental e amor-próprio a partir de sessões frequentes.


No entanto, ainda há pessoas que dizem que terapia é ‘’coisa de doido’’; todavia, estão muito longe da verdade. A psicoterapia é uma excelente maneira de conhecer mais sobre si mesmo e aprender a viver melhor, conforte seus próprios valores e convicções.


Se você ficou interessado, entre em contato conosco para conversarmos sobre suas emoções, sentimentos e pontos a serem tratados!


16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo